Categorias
Prevent Senior slide

Plantão tira-dúvidas da vacina contra a Covid-19

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A VACINA CONTRA A COVID-19

1. Se estou com febre, posso tomar a vacina?

Não. Caso sinta-se febril hoje ou esteve com febre nas últimas 24 horas, você não poderá tomar a vacina. Na suspeita de COVID-19, deverá ser feito o isolamento social em casa e entrar em contato com o serviço de telemedicina pelo APP Prevent Senior, se necessário.

2. Se já tive COVID-19, posso tomar a vacina?

Sim, desde que o início dos sintomas tenha ocorrido há pelo menos 4 (quatro) semanas. Para quem não apresentou sintomas, tomar a vacina a partir de 4 (quatro) semanas do resultado do exame.

3. Tenho problemas de saúde. Posso tomar a vacina?

Sim. A vacina é segura, feita com vírus incapazes de causar a doença (vírus inativado).

4. Pessoas que tomam imunossupressores ou com doenças que baixam a imunidade podem tomar a vacina?

Sim. Pessoas que fazem uso de medicações como corticoide, antibiótico, ou estão em tratamento de quimioterapia e imunossupressores, assim como em pós-operatório de cirurgias oncológicas, podem tomar a vacina. Nenhum remédio atrapalha o efeito da vacina. Todas as pessoas com HIV, asma, doença autoimune, doenças pulmonares, cirrose, diabetes, pressão alta, doenças do coração, câncer e epilepsia podem tomar a vacina.

5. Se tomo anticoagulante, posso tomar a vacina?

Sim. Porém, no local da aplicação, poderá aparecer um hematoma. Avise ao profissional de saúde que aplicará a vacina que você faz uso dessa medicação para que ele aplique gelo ou Gelox por 5 (cinco) minutos no local, diminuindo a chance de hematoma.

6. Participo de estudo para a vacina de COVID-19. O que devo fazer?

O ideal é não tomar e aguardar ser chamado(a) pelo estudo de que está participando como voluntário(a).

7. Tenho alergia a ovo. Posso tomar essa vacina?

Sim. A vacina não tem ovo em sua composição. Contudo, avise ao profissional de saúde que vai aplicar a vacina se teve alergia a outras vacinas ou se tem alergia a hidróxido de alumínio.

8. Estou gripado. Posso tomar a vacina?

Não. Você deve ficar em casa isolado(a), pois pode estar com COVID-19. Procure orientação médica pelo serviço de telemedicina no APP Prevent Senior ou dirija-se a um de nossos prontos-atendimentos.

9. Depois que for vacinado(a), posso parar de usar a máscara?

Não. A vacina não tem efeito imediato e leva um tempo para o organismo criar imunidade, o que, em geral, ocorre de 10 a 20 dias após a segunda dose. Além do mais, ainda não sabemos se as pessoas vacinadas não transmitirão mais o vírus. Sabemos que a vacina protege das formas mais graves da doença. Portanto, não podemos relaxar com as medidas de segurança. E lembre-se de que algumas pessoas poderão ser infectadas com a COVID-19 mesmo após vacinadas.

10. Sou transplantado. Posso tomar a vacina?

Sim.

11. Tomei vacinas contra outras doenças. Posso tomar a vacina contra a COVID-19?

Sim.

12. Se tenho uma pessoa doente/imunossuprimida em casa ou próxima a mim, posso tomar a vacina?

Sim. O vírus da vacina está inativo (morto) e não provoca a doença.

13. Quando será a próxima dose?

Provavelmente, entre 21 e 28 dias, mas espere ser chamado(a).

No caso da Oxford, o período da segunda dose é maior: cerca de 3 meses depois da primeira.

14. Quais os efeitos colaterais mais comuns?

Os mais comuns são dor no local da injeção, cansaço e dor de cabeça. Outros efeitos colaterais que podem aparecer: inchaço, coceira, endurecimento no local de aplicação, náusea, diarreia, dor muscular, tosse, dor nas articulações, nariz escorrendo, dor de garganta e nariz entupido. Mais raros: hematoma, vômito, sono, febre, manchas na pele, espirros, tontura, dor na barriga e diminuição de apetite.

15. Tomei a vacina e fiquei com dor intensa no local da injeção. O que faço?

Coloque uma compressa fria e tome um analgésico.

16. Posso me recusar a tomar a vacina?

Sim, porém é altamente recomendado que você tome a vacina.

17. Estou com plaquetopenia (baixo nível de plaquetas no sangue). Posso tomar a vacina?

Em caso de plaquetopenia, não há consenso sobre uma contagem de plaquetas adequada para uma única injeção IM, mas, provavelmente, a contagem mínima seria, de preferência, 20 mil plaquetas.

18. Estou com neutropenia (baixo nível de neutrófilos no sangue). Posso tomar a vacina?

Idealmente, a vacina deve ser administrada até que a contagem de neutrófilos tenha se recuperado para mais de 1000 células por mm3 (sem suporte de fator de crescimento) e o paciente esteja bem. Alguns pacientes têm neutropenia crônica. Neste caso, o paciente deverá receber a vacina independente do número de neutrófilos.

19. Tenho uma cirurgia programada. Posso tomar a vacina?

Sim. É altamente recomendado que você tome a vacina. Apenas fique de olho em caso de surgimento de algum sintoma/efeito colateral após a vacina e nos comunique imediatamente pelo serviço de telemedicina no APP Prevent Senior.

20. A Prevent Senior irá disponibilizar a vacina para seus beneficiários?

Até o presente momento, não, pois as vacinas são disponibilizadas pelo Governo Federal. O SUS é o responsável pela convocação dos pacientes e aplicação da vacina.

21. É recomendado suspender o tratamento imunossupressor de pacientes com DRIM antes e/ou após serem imunizados contra a COVID-19?

Até o momento, não há dados disponíveis para orientar o manejo da terapia imunossupressora no contexto da vacinação contra a COVID-19. Vale ressaltar que não há risco das vacinas contra o vírus SARS-CoV-2 (COVID-19) atualmente regulamentadas para uso emergencial induzirem a uma doença vacinal. É necessário também considerar o risco de reativação da doença de base com a suspensão do tratamento específico, assim como o potencial impacto negativo na resposta vacinal relacionado ao uso de medicações imunossupressoras.

22. Deve o paciente ser vacinado com a vacina do mesmo laboratório fabricante, quando da ocasião de segunda dose ou de reforço?

Sim. Todo o esquema vacinal deve ser realizado com a vacina do mesmo laboratório fabricante inicialmente utilizada por cada paciente, e de acordo com a determinação dos órgãos sanitários e regulatórios de âmbito nacional e local.

23. A vacinação contra a COVID-19 deve ser, preferencialmente, adiada enquanto o paciente estiver em tratamento com a medicação Rituximabe?

Esta decisão deve ser individualizada e feita de forma compartilhada entre o paciente e o médico reumatologista assistente, considerando que o uso de Rituximabe pode influenciar a resposta vacinal, bem como trazer risco adicional de evolução com desfechos mais graves da COVID-19 em pacientes em uso desta medicação.

24. Existe risco de que haja piora ou reativação da doença de base após a vacinação contra a COVID-19?

Até o momento, não há informação disponível para responder a esta pergunta.

Recomendação para vacinação contra a COVID-19 aos pacientes com tumores sólidos, neoplasias hematológicas e em programação de cirurgia oncológica

Os recentes resultados positivos para diversas vacinas contra a COVID-19 (SARS-CoV-2) apontam que a imunização passa a ser a ferramenta mais eficaz no controle da doença e da transmissão do vírus.

As vacinas disponibilizadas no Brasil em curto e médio prazos não incluem nenhuma com vírus vivo, o que reduz os riscos de efeitos colaterais para a população em geral. A vacina da Oxford University/AstraZeneca é composta de um adenovírus com deficiência de replicação recombinante que não deve ser considerada uma vacina viva. No caso da Coronavac/Sinovac, trata-se de um imunizante de vírus inativado que, da mesma maneira, não oferece riscos de infecção. Igualmente pode-se dizer da vacina da Pfizer/BioNTech COVID-19, que não usa vírus vivos.

Como nenhum estudo da vacina contra o vírus SARS-CoV-2 envolveu pacientes imunocomprometidos, a eficácia e a segurança do imunizante não foram estabelecidas nas diferentes populações destes pacientes. Entretanto, pacientes com tumores sólidos, neoplasias hematológicas e aqueles submetidos a transplantes de medula óssea (TMO) permanecem em risco aumentado de complicações da COVID-19. Evidências emergentes, aliás, demonstram que pacientes transplantados têm alta taxa de mortalidade, se infectados pelo novo coronavírus.

Recomendação para vacinação aos pacientes com Doenças Reumáticas Imunomediadas (DRIM)

Este é um guia de referência para orientação quanto à vacinação para estes pacientes. Não se trata de uma recomendação absoluta, dada a ausência de evidências publicadas, até a presente data, sobre segurança e eficácia das vacinas contra o vírus SARS-CoV-2 nesta população.

Até o momento, não existem evidências que coloquem as DRIM como fatores de risco independentes para complicações associadas à COVID-19, como evolução para formas graves ou óbitos. A atividade da DRIM e a intensidade da imunossupressão devem ser consideradas pelo médico assistente a fim de definir o momento mais apropriado para a vacinação contra a COVID-19.

A Sociedade Brasileira de Infectologia e o Ministério da Saúde também não consideram os pacientes com DRIM como grupo de risco aumentado para complicações de infecção por SARS-CoV-2 e sugerem que a maior parte destes pacientes possa ser vacinada juntamente com a população geral.

Pacientes com DRIM sistêmica em atividade (Lúpus Eritematoso Sistêmico, Vasculites e Esclerose Sistêmica com envolvimento pulmonar), especialmente aqueles em uso de dose de prednisona equivalente ou maior que 10 mg/dia, ou ainda recebendo pulsoterapia com corticoide e/ou ciclofosfamida, poderiam ser incluídos nos grupos prioritários para a vacinação contra a COVID-19.

Preferencialmente, o paciente deve ser vacinado estando com a doença controlada ou em remissão, como também em baixo grau de imunossupressão ou sem imunossupressão. Esta não é uma condição imprescindível para que o paciente seja vacinado, mas um cenário ideal. Estando em outras situações, é fundamental discutir com o médico reumatologista assistente sobre qual o melhor momento para a vacinação.

Referências bibliográficas

  1. Recomendações para vacinação contra SARS-CoV-2 ACCCC, Jan 2021, (Versão 1.0)
  2. Algwaiz, G., et al., Real-World Issues and Potential Solutions in Hematopoietic Cell Transplantation during the COVID-19 Pandemic: Perspectives from the Worldwide Network for Blood and Marrow Transplantation and Center for International Blood and Marrow Transplant Research Health Services and International Studies Committee. Biol Blood Marrow Transplant, 2020. 26(12): p. 2181-2189.
  3. Altuntas, F., et al., COVID-19 in hematopoietic cell transplant recipients. Bone Marrow Transplant, 2020.
  4. Ardura, M., et al., Addressing the Impact of the Coronavirus Disease 2019 (COVID-19) Pandemic on Hematopoietic Cell Transplantation: Learning Networks as a Means for Sharing Best Practices. Biol Blood Marrow Transplant, 2020. 26(7): p. e147-e160.
  5. Haroon, A., et al., COVID – 19 post Hematopoietic Cell Transplant, a Report of 11 Cases from a Single Center. Mediterr J Hematol Infect Dis, 2020. 12(1): p. e2020070.
  6. Ljungman, P., et al., The challenge of COVID-19 and hematopoietic cell transplantation; EBMT recommendations for management of hematopoietic cell transplant recipients, their donors, and patients undergoing CAR T-cell therapy. Bone Marrow Transplant, 2020. 55(11): p. 2071-2076.
  7. Scarfò, L., et al., COVID-19 severity and mortality in patients with chronic lymphocytic leukemia: a joint study by ERIC, the European Research Initiative on CLL, and CLL Campus. Leukemia, 2020. 34(9): p. 2354-2363.
  8. Schuster, J.E., et al., Frequency of asymptomatic and symptomatic respiratory virus detection in pediatric hematopoietic cell transplant patients. Pediatr Transplant, 2020. 24(6): p. e13732.
  9. Ma, J., et al., Clinical characteristics and prognosis in cancer patients with COVID-19: A single center’s retrospective study. J Infect, 2020. 81(2): p. 318-356.
  10. Malek, A.E., Raad, II, and E. Jabbour, Cancer and COVID-19. Lancet, 2020. 396(10257): p. 1066- 1067.
  11. Wang, H. and L. Zhang, Risk of COVID-19 for patients with cancer. Lancet Oncol, 2020. 21(4): p. e181.
  12. Xia, Y., et al., Risk of COVID-19 for patients with cancer. Lancet Oncol, 2020. 21(4): p. e180.
  13. Board, U.C., Clinician Frequently Asked Questions (FAQs) and guidance on COVID-19 vaccine for patients receiving Systemic Anti-Cancer Therapy. 2020.
  14. Therapy, A.S.O.H.a.A.S.f.T.a.C., ASH-ASTCT COVID-19 and Vaccines: Frequently Asked Questions. 2020. Recomendações para vacinação contra SARS-CoV-2 ACCCC, Jan 2021, (Versão 1.0) 8
  15. THERAPY, B.S.O.B.A.M.T.A.C., BSBMT&CT recommendations for the management of adult patients and allogeneic donors during the COVID-19 (causative agent the SARS-CoV-2 virus) outbreak. 2020.
  16. Aguiar, S., Jr, et al., Impact of COVID-19 on colorectal cancer presentation. British Journal of Surgery, 2021. 16. Loulergue, P., et al., Low immunogenicity of seasonal trivalent influenza vaccine among patients receiving docetaxel for a solid tumour: results of a prospective pilot study. Br J Cancer, 2011. 104(11): p. 1670-4
  17. Força-Tarefa para Gerar as Orientações de Vacinação contra SARS-CoV-2 para Pacientes com Doenças Reumáticas Imunomediadas (DRIM). <https://www.bioredbrasil.com.br/wp-content/uploads/2021/01/SBR-Forc%CC%A7a-Tarefa-Vacinas-COVID-19.pdf> Acesso em fevereiro/2021.